Início‎ > ‎

Identificação de Perfis Genéticos

 
 
 
28/05/2010 -
 IMPORTANTE PASSO PARA AUXILIAR NA IDENTIFICAÇÃO DE PESSOAS DESAPARECIDAS: 
 Será implantado em 15 Estados da Federação além da Polícia Federal, um sistema de Gerenciamento de Bancos de Perfis Genéticos - Codis, que além de permitir a identificação de criminosos que atuam em mais de um estado e agilizar casos de estupros e assassinatos irá colaborar com a identificação de desaparecidos.
 
Como funciona: Através de uma coleta de vestígios que serão encaminhados ao laboratório, será traçado o DNA e traçado um perfil genético que será inserido no banco de dados. Crimes e assassinatos poderão ser resolvidos com mais agilidade além dos casos de desaparecimentos de pessoas. O sistema não servirá somente para condenar, mas para inocentar pessoas também.
 
A capacitação ao treinamento nos Softwares de Gerenciamento de Bancos de Perfis Genéticos (Codis) promovido pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) começou dia 19 deste mês com objetivo de capacitar as secretarias estaduais de segurança pública, por intermédio dos órgãos de perícia oficial, para compartilhar e comparar perfis genéticos, permitindo a implantação do Banco de Dados.
 
O software de investigação Codis (Combined DNA Index System), foi desenvolvido pelo FBI (Federal Bureau of Investigations), o serviço de investigação norteamericano. Segundo a diretora do Ialf, perita criminal Josemirtes Prado da Silva, mais de 88 mil investigações feitas nos Estados Unidos tiveram êxito graças ao sistema. Ela explica que o novo sistema representa uma importante ferramenta para os órgãos de perícia do País, permitindo o compartilhamento das informações e comparação de perfis genéticos.
Os 15 Estados que possuirão banco de dados de DNA e participam do treinamento são: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Paraíba, Bahia, Ceará, Amazonas, Amapá e Pará. O conselho é constituído por cinco peritos oficiais - membros da Rede Nacional de Genética Forense -, um de cada região geográfica; representantes do Ministério da Justiça, da Polícia Federal e da Secretaria Especial dos Direitos Humanos.
 
Fonte: Jus Brasil
 
 
 
Comments