Artigos‎ > ‎

TRÁFICO DE CRIANÇAS - TRABALHO INFANTIL - DESAPARECIDOS

postado em 28 de jan de 2013 18:45 por DESAPARECIDOS DO BRASIL

12 DE JUNHO Dia Mundial De Combate ao Trabalho Infantil.

Divulgue a Campanha

A Divulgação de desaparecidos nem sempre é recomendada, saiba porque.

12/06/2011



Trabalho Escravo...

 
DÊ UM CARTÃO VERMELHO AO TRABALHO INFANTIL
 
A Campanha com Robinho da Seleção Brasileira:

Contando com o fundamental apoio do Estado Brasileiro, coordenado pela Comissão Nacional de Erradicação do Trabalho Infantil (CONAETI) e da grande mobilização da Sociedade Civil, liderada pelo Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do
Trabalho Infantil (FNPETI), o dia se tornou uma data nacional, por força da Lei nº 11.542, de 12 de novembro de 2007, que institui o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Infantil.

Assim, em 2010, no Brasil, no espírito da Copa do Mundo de Futebol, lançamos a
campanha Cartão Vermelho ao Trabalho Infantil, que conta como apoio do jogador Robinho da Seleção Brasileira.
 
Estatística:
Cerca de 1,5 milhões de crianças, meninos e meninas, são traficadas todos os anos para exploração 
do trabalho infantil nas lavouras, na mineração, em fábricas, conflitos armados e trabalho de 
exploração sexual. Esta forma terrível de exploração infantil é foco de uma crescente preocupação global. 
 
Tráfico de Crianças engorda estatística de crianças desaparecidas:
O tráfico de crianças está diretamente ligado ao trabalho escravo infantil e aos milhares de 
desaparecimentos de crianças pelo mundo inteiro. 12 de Junho foi consagrado o Dia Mundial Contra 
o Trabalho Infantil, com o fim de mobilizar a sociedade e inibir a prática de crime tão terrível.

É comum englobar casos de crianças desaparecidas somando-as aos casos de raptos e sequestros, 
porque falta no Brasil um cadastro nacional de desaparecidos eficiente, assim como de um sistema de 
informatização e comunicação integrado entre as polícias municipais, estaduais e a Polícia 
Federal, tornando difícil precisar o número exato das vítimas do tráfico de seres humanos entre os 
registros de desaparecimento de pessoas. De acordo com a Relatora de CPI, Andreia Zito o cadastro sobre
 crianças desaparecidas elaaborado pela Secretaria de Direitos Humanos em conjunto com o Ministério da Justiça é uma ferramenta arcaica e ineficiente. 
 
SÃO DUAS COISAS DISTINTAS -
 
Tráfico de pessoas e sequestros para exploração é crime e não desaparecimentos.
O desaparecimento de uma pessoa é a quebra de sua rotina normal, ou por vontade própria ou por 
acidente, no caso das crianças e adolescentes o motivo que mais gera desaparecimentos são as 
fugas de casa.

Quando as pessoas desaparecem por ação de terceiros, isso consiste em crime, como acontece no 
tráfico de pessoas, nos raptos ou sequestros ou até em homicídios, aí não se tem um desaparecido e 
sim uma vítima de um crime. 
Deve-se separar as duas coisas:
Deve-se então separar as duas coisas, tanto nas estatísticas e principalmente nas formas de 
investigação através de policiais e delegacias especializadas, uma em crimes e outra em desaparecidos. 

É comum acreditar-se em casos de desaparecimentos, no conceito de que "quanto mais for divulgado, 
melhor, pois mais pessoas estarão vendo as fotos e informações do desaparecido e será mais fácil 
encontrá-lo." Isto, quando se trata de rapto ou sequestro, pode ser perigoso e até fatal para a pessoa desaparecida.
 
Divulgação errada pode colocar  a vítima em risco:
Juntar desaparecidos com vítimas de crimes e divulga-los em redes sociais pode colocar a vítima em 
sérios risco pois sabemos que em casos de crime a divulgação demasiada pode fazer o sequestrador 
sentir-se ameaçado e cometer uma violência maior. Assim, ao invés de um sequestro, haverá um homicídio.
 
Erros ao repassar e-mails de crianças desaparecidas:
Pessoas que reencaminham e-mails com crianças supostamente desaparecidas, desconhecem totalmente 
se estão diante de um caso de desaparecimento, um crime ou uma brincadeira de mal gosto. Muitos 
destes e-mails, a que chamamos de "mensagens recorrentes" a criança sequer está desaparecida, 
por isso aconselha-se tomar muito cuidado com o que se repassa ou se divulga na rede social da internet.

Além disso, não podemos acreditar em tudo que as pessoas nos mandam e nem repassar, porque gera-
se um efeito bola de neve onde as pessoas irão retransmitir uma informação errada 
continuadamente, causando uma desinformação geral. Pesquise no Google sobre o nome da criança, ou na Polícia antes de repassar.

Dever do Estado, busca imediata, fator tempo é fundamental:
Cabe ao Estado agir prontamente quando recebe um comunicado de criança desaparecida, com uma 
equipe técnica e policiais especializados. O fator tempo é fundamental para que se tenha sucesso 
na recuperação da criança. Após as primeiras 72 horas se torna muito mais difícil obter um resultado positivo. 

Pais são responsáveis e devem estar preparados para o imprevisto:
Os pais precisam entender que cabe-lhes a responsabilidade pelo bem estar do filho, devem estar a 
par das amizades e da rotina da criança e a família precisa estar alerta e saber agir rapidamente 
quando o filho desaparece. Devem ter as informações sobre a roupa que a criança usava, uma 
lista com telefones e endereços dos amigos e parentes próximos, documento e foto da criança e 
apresentar tudo isso na Delegacia, para que a polícia intervenha imediatamente.
Faça o teste e veja se você está preparado: Teste

Exija que a Lei seja cumprida:
A Lei existe e precisa ser cumprida - "§ 2o A investigação do desaparecimento de crianças ou 
adolescentes será realizada imediatamente após notificação aos órgãos competentes, que deverão 
comunicar o fato aos portos, aeroportos, Polícia Rodoviária e companhias de transporte 
interestaduais e internacionais, fornecendo-lhes todos os dados necessários à identificação do desaparecido." (NR)

Trabalho infantil é crime:
O tráfico de crianças e adolescentes para o trabalho infantil e prostituição, é crime e é 
responsável pelo desaparecimento de milhares de crianças, mas além do problema com o tráfico, no 
Brasil, milhões de crianças e adolescentes ainda trabalham induzidas pelos próprios pais e são 
privados de direitos básicos como educação, saúde, lazer e liberdades individuais. Muitas, ainda, 
estão expostas às piores formas de trabalho infantil e envolvidas em atividades que prejudicam de 
forma irreversível, seu pleno desenvolvimento físico, psicológico e emocional.

Campanha 2010:
Neste ano de 2010, no Brasil, aproveitando o espírito da Copa do Mundo, a OIT e o FNPETI lançam a 
campanha Cartão Vermelho ao Trabalho Infantil, que conta com o apoio do jogador Robinho da Seleção Brasileira.
 

Lançamento nacional da campanha “Cartão Vermelho ao Trabalho Infantil”
Data: 10/06 (quinta-feira)
Hora: 10h
Local: Esplanada dos Ministérios (na área externa do Museu da República, voltado para a Catedral) – Brasília (DF)
Apoiadores
Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil (FNPETI)
Isa Oliveira – secretária executiva
(61) 2025-3880 / 2025-3148
Organização Internacional do Trabalho (OIT)
Renato Mendes – coordenador nacional do Programa Internacional para a Eliminação do Trabalho Infantil
Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF)
Salete Silva – coordenadora do Programa de Educação
Assessoria de Imprensa: (61) 3035-1983 / 1963 / 1900
www.unicef.org.br
 

 Saiba mais sobre Tráfico para Trabalho escravo no Brasil: Grandes Empresas e Políticos utilizam Trabalho Escravo 
 
 *Matéria pode ser reproduzida desde que se mencione a fonte e o autor.
 
 Amanda iab
 
 

Comments