Casos

Einstein de Oliveira Barros

postado em 5 de jul de 2013 10:11 por DESAPARECIDOS DO BRASIL   [ 5 de jul de 2013 10:13 atualizado‎(s)‎ ]

Einstein de Oliveira Barros desapareceu quando brincava perto de casa.

O caso foi amplamente divulgado, mas segundo a mãe não houve investigação adequada  e a criança não foi encontrada.

Manchete do Jornal a Tribuna de 20-07-89

Atualmente, (2013) seu irmão Marco Antulio de Oliveira Barros  está a sua procura.

Procuro meu Irmão, desaparecido em 1989, no Bairro do Ingá, em Niterói-RJ





Conforme informção em Anexo ou no link https://plus.google.com/u/0/photos/107831553865219955304/albums/5724612737108749601








Irmãos surdo-mudos procuram os pais

postado em 30 de jun de 2012 13:58 por DESAPARECIDOS DO BRASIL   [ 18 de out de 2013 04:23 atualizado‎(s)‎ ]





FAMILIA LOCALIZADA  Leia mais





QUEREMOS ENCONTRAR NOSSOS PAIS BIOLÓGICOS


Deficientes auditivos, os irmãos Marcelo e Raquel foram  recolhidos pela policia quando andavam  por uma rua em Jundiaí em 1988. Posteriormente foram encaminhados para adoção internacional, onde residem até hoje.

Eles não sabem muito de sua infância porque não tinham conhecimento  da linguagem  de sinais, não sabem o sobrenome e nem o nome dos pais.

Esta foto é de Marcelo e Raquel  quando foram  adotados ( 1988/1989)
Desaparecidos do Brasil Marcelo e Raquel surdo mudos


Qualquer informação de parentes ou conhecidos destas duas crianças (hoje adultos) 
encaminhe para 

contatodesaparecidos@gmail.com 

Desaparecidos do Brasil Marcelo e Raquel.

Marcelo e Raquel 



















Surdo mudos irmãos Marcelo e Raquel Desaparecidos do Brasil

Procuro meus irmãos Cícero e Antonio

postado em 16 de abr de 2012 17:02 por DESAPARECIDOS DO BRASIL

Maria Lucia Correia procura seus irmãos Cícero e Antonio. Eles eram de Palmares/Alagoas.  Filhos de D. Maria e Seu Francisco.
Moravam em um sítio cujo proprietário se chamava Sr. Antonio e sua esposa D. Alice.

Quem tiver informações, enviar para D. Lucia 
martinhanativa@hotmail.com

Via email, enviado em 10/4/2012

HISTÓRICO -

Meu nome é Maria Lucia Correia
a minha mãe morreu é Maria Correia 
O que sei é o que o pessoal que me trouxe para Recife disseram as outras coisas que escrevi
 O que me lembro, eu tinha uns sete anos, meus irmãos eram mais velhos, mas não sei qual a idade e não sei como é o sobrenome do meu pai pq no meu registro de nascimento diz que não tenho pai e nem avôs só mãe e falecida.

ME CHAMO LÚCIA TENHO 46 ANOS SOU DE PALMARES ALAGOAS E FUI PARA PERNAMBUCO.

SAÍ DE ALAGOAS DIA 05/02/1972, UNIÃO DOS PALMARES 

EU MORAVA NOS FUNDOS DE UM SITIO COM MEU PAI E MINHA MÃE 

E MAIS DOIS IRMÃOS 

SANTANA DE MANDAÚ DIZ QUE EU TINHA UMAS TIAS QUE MORAVAM EM CORRENTES

 P FAVOR QUEM PUDER ME AJUDAR AGRADEÇO DEIXAREI MINHA FOTO  . 

TAMBÉM O DONO DO SITIO QUE EU MORAVA ERA SEU ANTONIO E DONA ALICE 

MEUS IRMÃOS, UM ERA CICERO E O OUTRO E ANTONIO 

MINHA MÃE ERA MARIA MUITO DOENTE E MEU PAI FRANCISCO 

MINHA MÃE TINHA BARRIGA D ÁGUA  ERÁMOS MUITO POBRES E UMA FAMILIA ME PEGOU E ME TROUXE PARA OLINDA PERNAMBUCO. 86760696 OU 86175967 (81)

Maria Lucia Correia - procura irmãos.

Fabíola Gonçalves Pontes

postado em 25 de fev de 2012 14:27 por Desaparecidos do Brasil   [ atualizado em 2 de set de 2014 16:17 por DESAPARECIDOS DO BRASIL ]



ATUALIZADO SET/2014 
O desaparecimento misterioso da Fabíola continua sem respostas.
Mantemos contato constante com a Suely Tagliari, amiga da família
que  ajuda na divulgação, para o  caso não cair no esquecimento.

Também em contato com a irmã, Lilian.
irma: https://www.facebook.com/lilian.goncalves.79069?fref=ts tia https://www.facebook.com/groups/1471139446435749/     

Não se descarta a possibilidade de rapto ou fuga. Qualquer informação entrar em contato.



Atualização:

NOME DO DESAPARECIDO: Fabiola Gonçalves Pontes
DATA DO NASCIMENTO: 16/06/1984
NOME DA MÃE: Elenir Marcondes Pontes (falecida)
NOME DO PAI: Manoel Gonçalves Pontes
APELIDO: Não possui
SEXO: Feminino
SINAIS PARTICULARES: Não possui
ALTURA: 1.30
PESO: 46 K
COR DOS OLHOS: Castanho
COR DO CABELO: Preto
COR DA PELE: Branca
ESTADO: Paraná
CIDADE: Rolândia
MUNICÍPIO: Rolândia
DATA DO DESAPARECIMENTO: 05/12/1999
LOCAL DO DESAPARECIMENTO: Paraná
TIPO DE DESAPARECIMENTO: Outros tipos
CIRCUNSTÂNCIAS DO DESAPARECIMENTO: Era um sábado por volta das 15:00h quando ela saiu para levar algumas vacas para uma pastagem perto da rodovia nas redondezas de casa. A madrasta a a viu quando seguia cuidando das vacas, mas ela não retornou. A polícia e o corpo de bombeiros foram acionados e fizeram as buscas e nada, nenhuma pista foi encontrada. Também houve uma investigação sem nenhum resultado positivo.
NOME DO DECLARANTE: Sueli de Fatima Galuch Tagliari
VÍNCULO COM O DESAPARECIDO: Outros (amiga da família)
E-MAIL: sueli_dfg_tagliari@hotmail.com
NÚMERO DO BOLETIM DE OCORRÊNCIA: 062/1999

Relacionado - 
Clique para COPIAR E IMPRIMIR..

https://sites.google.com/a/desaparecidosdobrasil.org/desaparecidos-do-brasil/casos/postagemsemtitulo/fAB%C3%8DOLA%20GON%C3%87ALVES%20PONTES%20Desaparecidos%20do%20Brasil.jpg?attredirects=0

Facebook Twitter More... 

Ana Paula Moreno desaparecida

postado em 15 de ago de 2011 10:55 por Amanda iab   [ atualizado em 26 de jan de 2014 11:21 por DESAPARECIDOS DO BRASIL ]

Depoimento de  D. Sandra Moreno, mãe da Ana Paula Moreno, desaparecida em 03/10/2009
 


Atualizado em Jan 2014

Clique na imagem para salvar em tamanho maior.


https://sites.google.com/a/desaparecidosdobrasil.org/desaparecidos-do-brasil/casos/Ana-Paula-Moreno-desaparecida-Abaixo-Assinado/Ana%20Paulo%20Moreno%20Germano.jpg

Depoimento da mãe de Ana Paula Moreno Germano.

“No dia 03 de outubro de 2009 minha filha Ana Paula Moreno Germano, de 23 anos, saiu de nossa casa na cidade de Carapicuíba (SP) às 5h30min para ir trabalhar, cumprindo uma rotina que já fazia há quase dois anos. Ela entrava às 6h da manhã em uma empresa no bairro de Alphaville, região de Barueri, São Paulo, onde eu também trabalhava, só que no horário da tarde. Às 13h30min, quando cheguei à empresa, descobri que Ana Paula não tinha aparecido no trabalho aquele dia. Na mesma hora liguei para o seu celular, mas estava fora de área. Minha filha mais velha, juntamente de seu esposo, foram me buscar para irmos a empresa de ônibus conseguir com o setor de tráfegos um relatório do cartão de passagem de ônibus, que naquele dia não havia sido usado. Como Ana Paula não tinha dinheiro na carteira, ficou claro que não embarcou no ônibus. 

Em seguida parti para as empresas de monitoramento da cidade, pois Alphaville tem muitas câmeras de segurança. Tive acesso a todas as imagens daquele dia, ficando claro que minha filha não chegou a passar pela região. Às 18h eu já estava dentro da delegacia registrando o B.O (Boletim de Ocorrência), no dia seguinte fui a D.H.P.P. em SP Capital, registrando a queixa, levei a foto dela para ser colocado no site da polícia. Dos policiais das delegacias por onde passei ouvi que eu já tinha levado 90% do trabalho pronto para a polícia. Até onde entendi, restava 10% para a polícia fazer, mas que não tiveram a capacidade de realizar. Da polícia tenho o B.O e mais nada. Não concederam nem a quebra do sigilo telefônico da minha filha, talvez a única maneira de conseguirmos uma pista.



São quase dois anos de muita luta com a Justiça em todos os setores: delegados, promotores, enfim, já tentei de todas as formas. Por desencargo de consciência fui até ao prefeito da minha cidade e dele ouvi que nada poderia ser feito. Diante de tanto descaso, resolvi buscar uma providencia. Comecei a montar um quebra cabeça colocando tudo o que precisaria ter acontecido e não aconteceu, tudo o que deveria ter sido feito e não foi, e comecei a escrever uma resposta daquilo que com certeza precisaria acontecer. Nessa investida soube que para ser apresentado ao Congresso Nacional um pedido que se comprova que o que existe não funciona, precisa, junto com o pedido de mudanças, ter 1 milhão de pessoas que queiram a mesma coisa. Resolvi então começar a recolher essas assinaturas para mudar a situação do desaparecimento de pessoas no Brasil. Estas assinaturas deverão ser recolhidas entre os estados brasileiros. Quem quiser me ajudar e a todas as mães de pessoas desaparecidas no Brasil, basta assinar este abaixo-assinado. Desistir dessa luta é desistir de minha filha, coisa que jamais farei.



Sinto em mim a dor de todas as mães dos desaparecidos, uma dor que nos enfraquece, que é a dor da incapacidade. Nos sentimos incapazes diante de tanto descaso, com nossos filhos sabe Deus onde, e nós sem poder fazer nada, esta dor é que nos aniquila. Mesmo assim nós, mães de desaparecidos, lutamos, temos projetos, temos sonhos e acreditamos que podemos mudar. Sei que são muitas as barreiras, que nem sempre temos forças ou condições de continuar, mas não importa. O que importa mesmo é a força e a fé que tenho que nós todas vamos vencer esta guerra. Para isso precisamos da sua assinatura.



Meu muito Obrigada,



Sandra Moreno

abaixoassinadobrasil@uol.com.br“















► CLIQUE PARA  IR A PÁGINA DA CAMPANHA 

 

 

Wagner Roza Fontes

postado em 25 de jul de 2011 16:04 por Desaparecidos do Brasil

 

por Desaparecidos do Brasil
 
DESAPARECIDO desde Janeiro de 1985.
Ex aluno do Colégio Militar do Rio de Janeiro (Al. n.º 1019 - 1972 a 1978).
Estudante da Faculdade de Medicina da UERJ (1979-1984).
Se voce tem ou teve noticias entre em contato.

Jacqueline Procura-se (ATUALIZADO)

postado em 25 de jul de 2011 15:51 por Desaparecidos do Brasil   [ atualizado em 21 de fev de 2017 12:59 por DESAPARECIDOS DO BRASIL ]


ATUALIZADO - FEVEREIRO 2017 - Via e-mail.

Com relação ao caso abaixo, verifiquei no nosso sistema e a mesma veio a óbito em 15/10/2012, no Hospital Municipal de São José, sendo o declarante do óbito Osmar Borges de Oliveira Junior, acredito ser irmão dela. Não consegui contato com os familiares.

att.

Wanderley Redondo
Delegado de Polícia Titular



_______________________________________________________________________________


Família pede divulgação:

Jacqueline - Vista pela última vez na Rodoviária de Joinville, SC em Março/2010.
Saiu só com a roupa do corpo e levou uma sacola de documentos.

Dados:
Data de Nascimento: 06/07/1964
Cidade: Joinville - SC
Pai: Osmar
Mãe: Ivanilda
Cor dos Olhos: Castanho-escuro
Estatura média


Segue na íntegra do e-mail da filha:

"Prezados,
Nossa mãe desapareceu no ano passado, não temos BO feito, pq ela tem costume de ir para outras cidades para casa de nossos parentes e amigos, mas dessa vez ela não deu notícias a ninguém, não levou nada de roupa, só estava com a roupa do corpo, uma sacola com documentos.
A última vez que foi vista foi na rodoviária de Joinville em meados de Março / 2010.
Peço que nos auxiliem em como proceder para tentar achá-la.
Não foi diagnostica doença mental, mais acreditamos que devido ao uso de álcool ela pode estar fora do seu "natural".
Contato para maiores informações: 47 9919-3029 (Thiago / Grazielle - genro e filha) / 47 91647527 (Ivone - tia)
Em anexo, segue foto dela."



Paulo Faria e Silva

postado em 25 de jul de 2011 15:50 por Desaparecidos do Brasil   [ 6 de abr de 2015 12:15 atualizado‎(s)‎ ]





PESQUISAS ATUALIZADAS (Junho/2014)  junto a Receita Federal, Detran, e outras situações foram encaminhadas a família.
Continuamos acompanhando e pesquisando o caso;
Qualquer informação entrar em contato 
contatodesaparecidos@gmail.com - 




Nasceu em São Paulo - capital.
Data de Nscto: 03/11/69
Mãe: Elisa Tereza de Faria e Silva
Pai: Lino da Costa e Silva

Ele trabalhava como Analista de Sistemas.
Saiu de férias em março/96 e foi de carro para o Nordeste.
Chegou em Fortaleza na Praia do Futuro.
 Estava com uma passagem de avião comprada para a volta.
Mas desde o dia 02/04/96 ele não atendeu mais
o telefone celular (caixa postal) e NÃO VOLTOU DA VIAGEM.

Voamos para lá, colocamos em diversos jornais, rádio,
programas de televisão, mas não conseguimos nenhuma
informação que nos indicasse o que havia ocorrido com ele.

Amo meu irmão e peço a Deus que um dia me dê notícias dele.
Fátima Faria e Silva
http://www.orkut.com.br/Main#Profile.aspx?rl=mp&uid=6438329868823812657

Informações podem ser enviadas para o nosso e-mail
aqui  do site ou para a Polícia Civil.




Clique para salvar foto em tamanho maior.
https://sites.google.com/a/desaparecidosdobrasil.org/desaparecidos-do-brasil/casos/paulofariaesilva/paulo%20faria%20e%20silva.jpg
Envelhecimento digital para 46 anos. IAB Design Desaparecidos do Brasil.
DIVULGUE - mantenha os créditos.




Paulo Carvalho Monteiro

postado em 25 de jul de 2011 15:49 por Desaparecidos do Brasil   [ atualizado em 18 de set de 2014 09:24 por DESAPARECIDOS DO BRASIL ]


Confira atualização na outra página -  Leia mais



PAULO CARVALHO MONTEIRO,
 
filho de ADELINO FERNANDO DA COSTA MONTEIRO E ZULEIDE DE CARVALHO MONTEIRO.
 
 
Natural de Belém do Pará, nasceu em 11/01/1961.
 

Só quem tem um parente desaparecido sabe a dor, a angustia, a dúvida, a tristeza na alma que isso causa.

Ele está desaparecido desde 1991, se voce conheceu, estudou ou conhece o PAULO e pode dar alguma notícia de onde podemos encontra-lo, por favor, escreva agora. Nossa família deseja, sonha, pede, imagina, reza muitíssimo pelo dia desse reencontro. Nessa foto ele tinha 28 anos, hoje tem 46.Ele é branco,olhos e cabelos pretos,1.72m aproximadamente, é simpático, atencioso, alegre e prestativo. Formado em Administração de Empresas, antes de formado trabalhava consertando máquinas de escrever (Mecanógrafo), oficio que aprendeu com nosso pai.
Se você também tem um parente ou amigo desaparecido, venha participar, unidos, nossa esperança e fé serão renovadas.
Muito Obrigada por participar e divulgar.
 
Fernanda Carvalho Monteiro
 
 
 Contatos, aqui através do nosso e-mail ou avisar a Polícia Civil,  Belém do Pará.

PATRÍCIA FRANCO

postado em 25 de jul de 2011 15:42 por Desaparecidos do Brasil

 

 
 
Mistério envolve o desaparecimento da jovem  de 24 anos, a engenheira Patrícia A Franco.
 
A engenheira desapareceu na noite de 14 de junho de 2008, quando voltava de uma festa para sua casa na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio. O carro de Patrícia caiu de uma ribanceira no Canal de Marapendi, na saída do Túnel do Joá, na Barra. A perícia encontrou marcas de tiro no carro.

“Há quase um ano esperamos uma resposta da polícia. Com o site esperamos receber informações que nos ajudem a saber o que aconteceu naquela noite. Queremos divulgar tudo o que já foi dito pela imprensa sobre o caso e mostrar que muito ainda precisa ser feito”, disse o irmão da vítima, Adryano Franco.
 
Adryano lembra que a família ainda espera que novas perícias sejam realizadas e aguarda a convocação dos policiais militares, que chegaram primeiro ao local onde o carro foi encontrado, para que estes prestem esclarecimentos sobre o caso.
"Está muito difícil para toda a família suportar essa situação. A gente quer saber o que aconteceu com a Patrícia. Temos muita esperança de que ela esteja viva, em algum lugar talvez presa num cativeiro”, disse o pai da engenheira"
 
 
A família e amigos realizaram uma caminhada pela Avenida Sernambetiba, na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio na esperança de sensibilizar a população a colaborar com a polícia dando informações sobre o que aconteceu com Patrícia.
"Não é possível que ninguém tenha visto ou ao menos ouvido o carro descer a ribanceira e cair às margens do canal. No carro de Patrícia, a perícia encontrou perfurações por tiro e fragmentos de bala no interior e no motor do veículo."
 
"“A gente sabe que existe uma cultura entre as pessoas de cultura mediana de não se envolver com casos de polícia, de gente que teme represálias e vinganças por parte de quem é denunciado. Mas só teremos uma cidade menos violenta se o cidadão fizer o seu papel e colaborar com a polícia. Que procurem ao menos o Disque-Denúncia (2253-1177)”, apelou o delegado. ""

O caso ainda é um mistério para a polícia. O inquérito já tem mais de 400 páginas. De acordo com a polícia, no dia 14 de junho, quando a engenheira voltava de uma festa. O carro da engenheira apareceu dentro do mar, logo após o Túnel do Joá. No ponto, fica uma patrulha da Polícia Militar.

Os policiais que estavam na patrulha disseram que não encontraram ninguém dentro do veículo e um deles contou que jogou uma pedra no pára-brisa dianteiro para ver se havia alguém ao volante. Peritos descobriram pertences da vítima dentro d’água e também marcas de tiros no automóvel, além de manchas de sangue nos carros dos policiais que estiveram no local.
 


 

 
 

1-10 of 27