Bárbara Regina Gomes da Silva

postado em 9 de fev de 2015 13:06 por DESAPARECIDOS DO BRASIL   [ 10 de fev de 2015 03:32 atualizado‎(s)‎ ]




Caso Bárbara Regina. STATUS - DESAPARECIDA 
Há  relato de crime porém o corpo não foi encontrado.

Nome: Bárbara Regina Gomes da Silva
Idade: 21 anos
Desap. 01/09/2012
Local: Maceió-AL

Informações utilize o DISK DENÚNCIA 181Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize o link http://tnh1.ne10.uol.com.br/noticia/policia/2012/10/30/214045/inquerito-do-caso-barbara-e-concluido-com-acusado-fugido ou as ferramentas oferecidas na página.deic _
DEIC - Divisão Especial de Investigações e Capturas Seção Antisequestro

Acusado de haver praticado o crime:
Otávio Cardoso da Silva Neto (24)   ESTÁ FORAGIDO






Vídeo do suspeito




Notícias relacionadas:

Setembro/2014 -  Ainda sem solução após 2 anos do desaparecimento de Bárbara. - http://tnh1.ne10.uol.com.br/noticia/justica/2014/09/01/307426/sumico-de-barbara-regina-continua-sem-solucao-apos-dois-anos-de-investigacoes

Junho/ 2013 - MP descarta versão do inquérito policial http://reporteralagoas.com.br/novo/?p=62710


Outras mais antigas:







----



Nota do Ministério Público:

De acordo com as primeiras investigações do Grupo Estadual de Combate às Organizações Criminosas (Gecoc), do Ministério Público Estadual, a estudante Bárbara Regina Gomes da Silva, desaparecida após sair de uma boate na Ponta Verde, em setembro do ano passado, cujo corpo não foi encontrado, não era garota de programa e nem usava cocaína, ao contrário do que diz versão apresentada pela Polícia Civil (PC), em entrevista coletiva, no dia 25 de abril.

De acordo com as investigações do Grupo Estadual de Combate às Organizações Criminosas (Gecoc), do Ministério Público Estadual, Bárbara Regina era uma jovem trabalhadora,centrada e de vida regrada.

“O contexto das provas obtidas pelo Ministério Público Estadual sobre o caso nos indica que Bárbara Regina não era garota de programa e também não era usuária de drogas”, disse o coordenador do Gecoc, o promotor Alfredo Gaspar de Mendonça.
Segundo ele, o Gecoc investiga o caso há pouco mais de uma semana, junto com o promotor do caso, Marcus Mousinho.

Alfredo Gaspar de Mendonça disse também que o Ministério Público Estadual convocou donos de sites que oferecem garotas de programa para depor.
“Todos disseram não conhecer Bárbara Regina e que o nome dela não constava nesse meio, ou seja, Bárbara era totalmente alheia a este ambiente de prostituição”, disse o coordenador do Gecoc, promotor Alfredo Gaspar de Mendonça.

Ao dissociar a figura de Bárbara da prostituição e do consumo de cocaína, as primeiras conclusões das investigações do Gecoc também quebram a versão de que a estudante teria sido assassinada a mando de Vanessa Ingrid, que está presa e é suspeita de também tramar a morte da jovem Franciellen da Rocha, que foi torturada e queimada viva no início do ano, na Serraria, em Maceió.

“Pelas provas que temos, podemos dizer que Vanessa Ingrid nem conhecia Bárbara”, diz o promotor Alfredo Gaspar de Mendonça.
Fonte: Gazeta de Alagoas 18/06/2013


Comments