Vivian Cacciatore Florêncio

postado em 29 de mar de 2012 11:12 por DESAPARECIDOS DO BRASIL   [ 22 de nov de 2013 08:06 atualizado‎(s)‎ ]
Vivian



vivian florencio

Sexo: Feminino
Nome do Pai: 
Nome do Mãe: Maria Emília Florêncio
Cor dos olhos: Castanho escuro
Cor do cabelo: Castanho escuro
Data de nascimento: 07/11/2001
Data do desaparecimento: 04/03/2005
Idade na data do Desaparecimento: 03 anos
Local do desaparecimento: Curitiba/PR


Histórico
A menina foi vista pela última vez no dia 4 de março de 2005, em companhia da mãe, Maria Emília Cacciatore Florencio.
Mãe e filha saíram de casa, na Vila Santa Efigênia, Barreirinha, em Curitiba, para um encontro com o suposto pai de Vivian, o policial militar Edson Prado, para tratar do pagamento de pensão alimentícia. Cinco dias depois, o corpo de Maria Emília foi encontrado numa cova rasa em um matagal no município de Campina Grande do Sul, com o rosto e as mãos cobertos de cal – para acelerar a decomposição e dificultar o reconhecimento. Da criança, porém, não há qualquer sinal desde então.
Prado foi denunciado por homicídio doloso (com intenção de matar) por motivo torpe e ocultação de cadáver e permanece detido até o julgamento – mas também não deu qualquer informação sobre a menina. O processo, que corre na 3.ª Vara Criminal de Curitiba, está com a defesa para as alegações finais. Na seqüência, o juiz Mauro Bley Pereira Júnior decide se o policial vai a júri popular. Se for condenado, Edson Prado pode pegar reclusão de 12 a 30 anos pela primeira acusação, e de um a três pela segunda. Prado também responde a Inquérito Policial Militar, que segundo a assessoria da PM está parado desde junho do ano passado, quando a defesa solicitou laudos de sanidade mental do acusado. Até hoje, entretanto, esses laudos não ficaram prontos.
“Eu tenho esperança de que ele vá a júri popular e confesse o que fez com a minha filha e a minha neta”, comentou a avó de Vivian, que hoje cria os outros dois filhos de Maria Emília – Evandro, de 16 anos, e Vanessa, de 12. “A gente faz um apelo para que esse homem acorde e diga o que aconteceu, porque ele estragou a nossa vida e a dele.”
Ela diz que tem conseguido suportar a dor graças à religião. “Se não fosse a nossa fé, não sei o que seria de nós. Mas eu ainda acredito que ela esteja viva”, relata. “Toda manhã a gente acorda pensando que vai receber algum telefonema com notícias dela, mas até agora nada. Uma vez ligaram de Irati e outra de Piracicaba, mas nenhum dos casos tinha a ver com a Vivian.” Marlene e o marido também espalharam mais de 15 mil cartazes com a foto da neta, mas não houve qualquer retorno.

Comments