Cadastro Biométrico de Desaparecidos

postado em 5 de mar de 2017 06:53 por DESAPARECIDOS DO BRASIL   [ atualizado em 5 de mar de 2017 09:32 por Amanda iab ]

BIOMETRIA

05/Março/2017 

    Facebook


 

Nova Ferramenta no Paraná

ajuda os desaparecidos


 

Cadastro Biométrico de Desaparecidos

SSP institui Cadastro Biométrico de Pessoas Desaparecidas

 
A Secretaria de Segurança Pública institui o Cadastro Biométrico de Pessoas Desaparecidas (CADÊ), ferramenta que possibilita aos Institutos de Identificação das Secretarias de Segurança Pública Estaduais o armazenamento e pesquisa de impressões digitais de desaparecidos em sua base de dados biométrica nacional.
 

O Instituto de Identificação do Paraná (IIPR) já utiliza uma nova ferramenta na investigação e busca de pessoas desaparecidas no Estado. O banco de dados denominado Cadastro Biométrico de Desaparecidos (Cadê), desenvolvido pela Polícia Federal, armazena mais de 17 milhões de impressões digitais. Desde a efetivação do programa, em janeiro deste ano, três pessoas já foram localizadas no Paraná.

“O sistema que antes ajudava a solucionar crimes, agora, com essa parceria, vai auxiliar a encontrar pessoas desaparecidas. O Paraná é um dos primeiros estados brasileiros a contribuir com este banco de dados, além de Sergipe, Goiás e Minas Gerais”, explicou a papiloscopista chefe da Subdivisão de Operações de Perícias do Instituto de Identificação do Paraná, Milene Graciotto.


O PROGRAMA

O programa faz parte de um acordo de cooperação técnica com o Departamento da Polícia Federal para o uso do Sistema Automatizado de Impressões Digitais (Aifs). Neste banco também poderão ser incluídas as impressões digitais de pessoas que constam na difusão amarela (desaparecidos) e negra (cadáveres) da Interpol.

Os Estados interessados precisam aderir ao CADÊ, mediante simples requerimento ao INI e promover a integração entre as Delegacias de Polícia que recebem as notícias de desaparecimento e o instituto de identificação local, que dispõe das impressões digitais do desaparecido.

Basílio Brant, papiloscopista-policial federal, ressalta que para que o CADÊ se torne efetivo, é necessária a adesão das Secretarias de Segurança Pública dos Estados, que são as responsáveis pelo recebimento das notícias de desaparecimento e pela investigação, bem como a participação dos institutos de identificação, que possuem as impressões digitais dos cidadãos.

Acrescenta que para o sucesso do CADÊ, faz-se necessária a participação do maior número possível entidades governamentais e não-governamentais, familiares e demais instituições interessadas e que o sistema seja amplamente divulgado para a população.

CRIANÇAS DESAPARECIDAS

 

Notícia relacionada:

https://sites.google.com/a/desaparecidosdobrasil.org/desaparecidos-do-brasil/ltimas-notcias/projetobancodedadosnacionalcodis

 

Ajude nossas crianças

CLIQUE AQUI


 
 

Unsubscribe from future emails.
Comments