Brazil wants to speak with the brazilians adopted in Israel

ATUALIZAÇÃO:

► 24/10/2012 Nota: Dois meses se passaram desde a publicação abaixo, e nada aconteceu até o momento. A Ministra prometeu ajuda aos "nossos" meninos, no entanto não há respostas da Secretaria dos Direitos Humanos e nem da pessoa designada para resolver a questão e dar apoio aos brasileiros adotados em Israel aos e-mails que forma enviados à eles. 

► 29/01/2013 - Seis (6) meses se passaram desde a promessa da Ministra Maria do Rosário ( vide abaixo) e nenhuma resposta foi dada aos diversos e-mails mandados por Desaparecidos do Brasil, a pedidos dos adotados, à pessoa designada para resolver a questão das adoções ilegais de Israel. Continuamos aguardando a resposta. 

► 25/7/2013 - Em vias de completar um ano após o anúncio da Ministra  Maria do Rosário, concluímos que virou tudo em nada! A partir da promessa, em agosto de 2012, George Lima ganhou uma pasta para atender nossos meninos, vítimas de adoções ilegais e levados para o exterior através de quadrilhas.  Segundo  vários relados das vítimas que enviaram  seus documentos ao  e-mail  disponibilizado para eles, não houve retorno.  A pergunta continua - ONDE ESTÃO NOSSAS MÃES????

_________________________________________________________________________________

14/08/2012 -  Direitos Humanos ouve apelo dos jovens que, ainda bebês, foram vendidos à famílias de Israel e
Três Ministérios deverão auxiliar os jovens vendidos quando bebês, diz a Ministra Rosário
Human Rights hears appeal of young people who have been led to Israel when babies

Version in English and Hebrew, see below.


O TRÁFICO DE CRIANÇAS É UM DOS CRIMES MAIS PERVERSOS DIZ MINISTRA
Esses brasileiros tiveram negado o direito de conhecer suas origens, afirma Ministra 
Rosário dos Direitos Humanos. Ela  pretende mobilizar três ministérios para auxiliar
 os jovens vendidos às familias israelenses nos anos 1980 quando eram bebês, 
a encontrarem os seus pais biológicos.




- Brasil quer conversar com os brasileiros adotados em Israel.

NOTA: Após muitos meses de exaustivas buscas que Desaparecidos do Brasil realizou através de equipe de voluntários pelas origens biológicas das vítimas da exportação de bebês em massa, ocorridas nos anos 80; após inúmeras tentativas frustradas de contatos junto aos órgãos federais do governo brasileiro para que olhassem para o problema sofrido pelos adotados e não encontrando retorno nem atenção das autoridades, Desaparecidos do Brasil decidiu então procurar a mídia para expôr o grave problema que estes jovens, levados há quase três décadas de forma ilegal para Israel, estavam enfrentando.

Buscando contato com a jornalista Mônica Foltran do Diário Catarinense, Desaparecidos do Brasil contou em detalhes o dilema sofrido por esses brasileiros no exterior e as dificuldades que o nosso grupo voluntário vinha encontrando para localizar suas mães biológicas.
Colocado em pauta o Jornal do DC aceitou o desafio, buscou nas fontes cedidas por Desaparecidos do Brasil as informações necessárias e foi atrás dessa história que hoje finalmente mereceu a atenção da Ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, ao qual nos sentimos imensamente gratos.

Todo o início sofrido desse drama é contado em detalhes na nossa página:ONDE ESTÃO NOSSAS MÃES?


Nossos agradecimentos ao Diário Catarinense e à Jornalista Mônica Foltran, cuja sensibilidade e profissionalismo realizou um trabalho investigativo da maior importância para o Brasil e para todos aqueles que de certa forma serão beneficiados com este resultado. Agradecimentos especiais às voluntárias Sandra Chialastri e Andrea Marcondes que foram as primeiras a estender a mão, em 2009, à um israelense, Lior Vilk ( veja como começou), que postou um tímido apelo em um site, perguntado se alguém conhecia sua mãe biológica Izabel Alves dos Santos desencadeando todo este resultado. Da mesma forma seguem agradecimentos à todos voluntários que direta ou indiretamente tiveram participação nas investigações .


DIREITOS HUMANOS, ITAMARATY  E MINISTÉRIO DA JUSTIÇA -

O governo federal pretende acionar três pastas para auxiliar os jovens que, ainda bebês, foram vendidos a famílias de Israel.


Nos próximos dias, os ministérios dos Direitos Humanos, da Justiça e das Relações Exteriores irão unir esforços para identificar os pais biológicos e recuperar a documentação original das vítimas da quadrilha internacional que traficava crianças nos anos 1980.

Comovida com a série de reportagens do DC, a ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, está disposta inclusive a receber os jovens. A pedido de Rosário, o setor consular do Itamaraty irá servir de base de apoio para o grupo que vive em Israel. Na última semana, a ministra também solicitou ao Ministério da Justiça que estude uma situação jurídica para os jovens recuperarem sua verdadeira identidade.

— A distância e o tempo decorrido prejudicam as ações, mas estamos abertos para avaliar a situação e verificar o que pode ser feito — disse Rosário.

Antes de tomar qualquer medida, contudo, a ministra afirma que precisa receber uma notificação oficial das vítimas. Isso pode ser feito pelo e-maildisquedireitoshumanos@sdh.gov.br.

— Desde que recebemos as informações pelo DC, não tivemos ainda contato formal com as vítimas. Não temos um e-mail, nada deles. Conversei com a nossa área de crianças e adolescentes, que trata de crimes de tráfico, e pedi para a ouvidoria ficar atenta.

Rosário adianta que o tema é complexo e que precisa conhecer a trajetória de cada um dos jovens para procurar soluções específicas. A ministra não descarta pedir ajuda ao Ministério Público Federal e até mesmo a organismos internacionais.

— Até hoje não tivemos nenhum caso semelhante a esse registrado no ministério. Tampouco tivemos acesso à documentação, aos registros. Os elementos jurídicos que vamos usar serão constituídos a partir do contato que eles farão conosco — afirma.

Caso não seja possível realizar em breve um encontro com o grupo que vive em Israel, a ministra se propõe a participar de uma videoconferência para receber relatos das dificuldades enfrentadas por cada um dos jovens.

— Nós precisamos manter contato com esses jovens. Faremos o que for possível para ajudá-los.

Rosário esclarece que a legislação atual determina aos cartórios que mantenham em seus arquivos toda a documentação sobre a origem de pessoas, como as certidões de nascimento. No entanto, na época dos crimes, não havia essa obrigação e algumas das vítimas da quadrilha nem sequer foram registradas no Brasil.

— O tráfico de crianças é um dos crimes mais perversos. Esses brasileiros tiveram negado o direito de conhecer suas origens. É um caso importante para o Brasil também para evitar que isso se repita — comentou Rosário.

Diário Catarinense - Clique

- Versão em inglês -

Federal Government intends to set three directories to help young people, even babies, that were sold to families of Israel.

In the coming days, the Ministries of Human Rights, Justice and Foreign Affairs will work together to identify the biological parents and restore the original documentation of victims from an international gang of baby trafficking in the 1980s.

Moved by the series of reports from DC, the minister of Human Rights, Maria do Rosario, is even willing to receive the youths. As she asked, the Itamaraty's consular section will serve as a support base for the group that lives in Israel. Last week, the minister also asked the Ministry of Justice to look for a juridical situation for the youths to regain their identity.

— Distance and elapsed time undermine the actions, but we are open to evaluate the situation and verify what can be done — said Rosario. 

Before taking any action, however, the minister said that she must receive an official notification from the victims. That can be done by the email disquedireitoshumanos@sdh.gov.br. Rosario adds that the subject is complex and it's necessary to know the trajectory of each person to look for specific solutions. The minister doesn't discard asking for help to federal prosecutors or even to international organizations.

— Until now we had no case similar to that recorded in the ministry — he claims. 

If a brief meeting with the group who lives in Israel can't be held, the minister intends to participate in a videoconference to receive reports of the difficulties faced by each of the youths. Rosario clarifies that the current legislation requires from the notary keeping on file all documentation about the origin of people, such as birth certificates. However, at the time of the crimes, there was no such obligation and some of the victims of the gang were not even registered in Brazil. 

— Baby trafficking is one of the most perverse crimes. We need to keep contact with those youths. We will do everything possible to help them — remarked Rosario.

- Versão em hebraico -  

ברזיליה

 הממשלה הפדרלית החליטה לפתוח שלושה תיקים על מנת לסייע לצעירים אשר, בעודם תינוקות, נמכרו למשפחות בישראל. בימים הקרובים, המשרד לזכויות האדם, משרד המשפטים ומשרד יחסי החוץ ינקטו במאמצים משותפים כדי לזהות את ההורים הביולוגיים ולהשיג את המסמכים המקוריים של קורבנות הכנופיה הבינלאומית שניהלה סחר בתינוקות בשנות ה-80.

 נרגשת מסידרת הכתבות של העיתון דיאריו קטריננסה, השרה לזכויות האדם, מריה דו רוזריו, הביעה נכונות לקבל את הצעירים. לבקשת רוזריו, המחלקה הקונסולרית של האיתמרתי תשמש כבסיס תמיכה לקבוצה החיה בישראל. בשבוע האחרון, השרה גם ביקשה ממשרד המשפטים לחקור את המצב המשפטי על מנת לבדוק את האפשרות  להחזיר לצעירים את זהותם המקורית.

"המרחק והזמן שעבר עלולים להזיק לפעולות אלה, אך אנו מוכנים לבדוק את המצב ולוודא מה ניתן לעשות," אמרה רוזריו.

לפני נקיטת כל צעד שהוא, בכל אופן, השרה הודיעה  כי היא צריכה לקבל בקשה רשמית מהקורבנות. דבר זה ניתן להיעשות באמצעות הדאר האלקטרוני 

disquedireitoshumanos@sdh.gov.br.

היא הקדימה ואמרה כי הנושא מורכב וכי נחוץ להכיר את מסלולו של כל אחד מהצעירים כדי לחפש פיתרונות מתאימים. השרה לא מוציאה מכלל אפשרות בקשת עזרה ממשרד הפנים הפדרלי ואולי אף מאירגונים בינלאומיים.

"עד כה לא היה לנו מקרה דומה לזה הרשום עתה במשרד," הודיעה.

במקרה שיהיה בלתי אפשרי להוציא לפועל מפגש עם הקבוצה החיה בישראל, בתקופה הקרובה, השרה הביעה נכונות להשתתף בשיחת וועידה בוידאו על מנת לקבל דין וחשבון לגבי הקשיים הספציפיים בהם נתקל כל אחד מהצעירים. רוזריו מבהירה כי החקיקה הקימת קובעת שמשרדי הרישום צריכים לשמור בארכיביהם את כל המסמכים המעידים על מוצאם של אנשים, כגון תעודות לידה. עם זאת, בתקופת ביצוע הפשעים חובה זו לא היתה קיימת ואחדים מקורבנות הכנופיה אף לא נרשמו בברזיל.

"סחר בתינוקות הוא אחד הפשעים היותר חמורים. אנו צריכים לשמור על קשר עם צעירים אלה. נעשה את כל האפשר על מנת לסייע להם," אמרה רוזריו.

Comments