Técnica especial para encontrar desaparecidos

Serviço de Enfrentamento ao Desaparecimento de Crianças e Adolescentes

postado em 29 de mar de 2011 15:30 por Desaparecidos do Brasil

são paulo
 
A Fundação Criança de São Bernardo do Campo (Rua Francisco Visentainer, 804, Bairro Assunção) desde 2005, criou o Serviço de Enfrentamento ao Desaparecimento de Crianças e Adolescentes que já atendeu mais de 800 casos. Este ano, do mês de janeiro até 3 de fevereiro, foram registradas 21 ocorrências em processo de andamento, e somente sete casos não solucionados. O Projeto tem o apoio, desde 2010, da Secretaria de Direitos Humanos, com o objetivo de avaliar as práticas existentes, e propor novas ações e capacitar os profissionais do Sistema de Garantia de Direitos da Infância e Juventude sobre o desaparecimento de crianças e adolescentes. Dos atendidos pela Fundação Criança, mais de 60% são de pessoas do sexo feminino, sendo que mais da metade dos casos são relacionados à fuga do lar (violências doméstica, física e psicológica, entre outras). De acordo com o coordenador de projetos da Fundação, André Felix Portela, 95% dos casos são resolvidos imediatamente, alguns em menos de uma semana. Após o retorno a residência, a Fundação realiza uma avaliação sobre o que motivou o desaparecimento dessas crianças ou adolescentes, oferece acompanhamento e inclusão em cursos, por meio de programas sociais da unidade ou da Rede Municipal de Assistência. -

Boletim

Em caso de desaparecimento é necessário registrar o boletim de ocorrência imediatamente, na delegacia mais próxima de sua região ou por delegacia eletrônica: www.ssp.sp.gov.br/bo/, ter uma foto recente da criança em mãos e fornecer à autoridade policial detalhes sobre a vestimenta da criança, lugares que gosta de frequentar e comportamento. Além disso, é preciso procurar o Conselho Tutelar e a Fundação Criança(www.fundacaocrianca.org.br) , que oferece suporte psicossocial a família, além de apoio na divulgação de cartazes, divulgação em sites do Cadastro Nacional das Crianças e Adolescentes Desaparecidos.
 

Parceria com o Sicride

postado em 29 de mar de 2011 15:26 por Desaparecidos do Brasil

Foto: Arquivo de família e reprodução Zoom A partir da foto da pessoa desaparecida, é possível criar o rosto como ele seria hoje

A partir da foto da pessoa desaparecida, é possível criar o rosto como ele seria hoje

Do Metro ABC

tecnologia@eband.com.br

Um acordo inédito permite que crianças desaparecidas há muito tempo em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, tenham a face reconstruída para facilitar as buscas. A reprodução de como estaria o desaparecido depois de alguns anos é feita pelo Secride (Serviço de Investigação de Crianças Desaparecidas) do Paraná, único do país a recriar digitalmente rostos.

Os peritos paranaenses utilizam fotos da criança na época do desaparecimento e imagens de irmãos mais velhos para fazer a reprodução. Até agora, três casos de São Bernardo passaram pela reconstrução.

O caso mais antigo é o da menina Viviane de Araújo Alves, desaparecida em 2003, quando tinha 11 anos. Ela foi buscar pão para os pais e não retornou para casa, no Taboão. A reconstrução feita pelo Secride mostra a menina com 18 anos.

O projeto é coordenado pela Fundação Criança em São Bernardo. A instituição possui apoio do Conanda (Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente) para criar políticas de sistematização de busca por crianças desaparecidas na região.

Além do acordo com o Secride, casos com mais de uma semana sem solução seguem para o banco de DNA da USP. Até agora, dez famílias em busca de crianças deixaram amostras na faculdade.

1-2 of 2